Opinião: “Da procura do ‘mais melhor’ à mortificação da nossa música”

Opinião: “Da procura do ‘mais melhor’ à mortificação da nossa música”

- in Opinião

Por: Anónimo

Estou a acompanhar com muita preocupação a incessante discussão, nas redes sociais, sobre qual foi a música de Dezembro. Uns defendem com unhas e garras que foi “Mazazas” de Bander, outros que foi “Va navela” de Mr. Bow, outros ainda, que foi “A vida é uma Life” da Dama do Bling. Há quem também diz que não foi nenhuma dessas músicas, mas sim as músicas vindas da África do Sul.

Sem prejuízo dos argumentos que cada um apresenta, uma coisa que me chamou à atenção: o facto de essa busca pelo melhor músico/melhor música ser feita à custa de ataques, vilipêndios e até insultos aos músicos de que não gostamos. Me recordo, por exemplo, de como Fred Jossias tentou impor Mazaza como música de Dezembro, de como Fiex acusou Bow de usar artimanhas para se dar bem, de como alguns internautas desaprovaram palavras ditas na música de Bander…e tantos outros exemplos.

Para compreender tudo isso, há duas perguntas que precisamos responder. A primeira: como é que nós chegamos a este tipo vil de disputas e posicionamentos? A segunda: será que isso faz bem à nossa arte, em particular a música?

A primeira pergunta leva a uma reflexão profunda sobre o estado da nossa música e dos nossos músicos. Já há muito que estes deixaram de cooperar e passaram a disputar espaço de tal forma, que ninguém quer reconhecer o sucesso do outro. O facto de eu não gostar de Mr. Bow, por exemplo, não me dá o direito de pensar que ninguém mais gosta e de promover o banimento de sua música. O mesmo aplica-se aos demais músicos.

Sobre a segunda pergunta, a resposta é não: isso não faz bem pra nossa arte. No lugar de andar aí a maldizer coisas sobre os outros músicos, podemos simplesmente aprender deles, a música agradece. Vou pegar no exemplo de Mr. Bow, tal como pegaria no exemplo de qualquer outro músico.

Mr. Bow, um dos músicos que mais foi atacado, neste final de ano, ensinou-nos uma no final de 2021: não basta só lançar e esperar que a música faça sucesso por si mesma, precisamos também promover o produto, isso faz toda a diferença. Os números que este músico alcançou nas redes sociais são históricos: 1 milhão de visualizações no Youtube em 7 dias, mais de 10 mil novos subscritos no seu canal Youtube em 7 dias, mais de mil publicações com a hastag #vanavelachallenge nas redes sociais. Queiramos ou não, a música “Va navela” foi um sucesso, os números não mentem.

Mr. Bow não é melhor que ninguém neste país, ele apenas descobriu/definiu seu público e tem vindo a cantar para esse público. Não é para menos que este tem estado no topo das músicas mais tocadas no país, nos últimos 10 anos. Creio que há espaço para todos, o que cada músico deve fazer é aprender a explorar esses espaços, gastando menos energias a tentar desvalorizar o sucesso dos outros.

Que eu me lembre, neste Dezembro, foram tocadas muitas músicas e de diferentes músicos, cada um teve a liberdade de escolher a música para terminar 2021 e começar 2022. Cada um é livre de o fazer e não pode ser julgado por isso. Alias, até onde sei, não é possível organizar uma festa a tocar uma música só do princípio ao fim.

Essa busca pelos “mais melhores” está a matar a nossa arte! Nos cega tanto a ponto de não mais enxergamos o que há de melhor na nossa música. Paremos com isso!

Feliz 2022!

Facebook Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.