Exposição “Percursos” encerra a Galeria da FFLC na temporada 2022

Exposição “Percursos” encerra a Galeria da FFLC na temporada 2022

- in Notícias

No essencial, as obras de arte são a expressão de um pensamento. A individualidade de cada artista, a sua forma singular de ver o mundo, é que faz a marca ou particularidade de quem faz a obra. É o que se vê na exposição colectiva intitulada “Percursos”.

A inaugurar no dia 16 de Novembro, às 18.00 horas, na Galeria principal da Fundação Fernando Leite Couto, esta mostra de desenho e pintura reúne os trabalhos de Dito Tembe, Pedro Mourana e Carlos Fornasini.

Segundo o comunicado de imprensa enviado à Moz Entretenimento, o título “Percursos” pode sugerir a acção ou o resultado de percorrer (atravessar um espaço, efectuar um trajecto). O termo também pode ser usado para se referir ao espaço que alguém ou algo percorreu ou percorrerá.

As respostas aos reais significado(s) dilui(em)-se através das diferentes perspectivas que os três artistas têm sobre o mundo, como fica claro nesta exposição colectiva. Por exemplo, Dito Tembe, nos conduz através de rabiscos que dão forma aos corpos que desenha. Só os seus traços abrem uma infinidade de interpretações como a sensação de instabilidade emocional ou desejo de desejo de algo novo.

No sentido mais objectivo, ainda no caso de Dito, ao pensarmos nos seus percursos, não podemos ignorar o facto de entre 1987/89, ter frequentado o curso de desenho no Centro de Amizade H.D.S.F. Hause der Deutsche und Sovietische Freundschaft na cidade de Schwerin na Alemanha do Leste, durante a guerra fria, a que se junta o caminho que já tinha e vem fazendo nos circuitos nacionais.

Fornasini, por sua vez, autodidata que é, desenvolveu uma forma particular de pontilhado, paleta de cores e universo cromático na descoberta de uma interessante configuração de formas que reforçam essa percepção sobre a pluralidade do significado de “Percursos”.

Da trajectória deste artista discreto no seu atelier, destacam-se exposições colectivas em Havana, Cuba, em Hamburg, Alemanha e em vários locais de Maputo, Moçambique onde realizou igualmente exposições individuais de reconhecido mérito artístico.

PMourana, através de elementos comuns nos artistas nacionais, moldou um traço único na criação do fantástico e na visão do sonho irreal.  E nesta mostra o vemos explorar motivos como mulheres – quase sempre de semblante triste – e homens numa posição autoritária e distorcida como que para expressar um sentimento de superioridade e de posse.

O artista, bem estabelecido no circuito nacional, traz a “Percursos” a cor azul trabalhada em diferentes tons e contextos. Esta opção, observando a partir da psicologia das cores pode significar tranquilidade, serenidade, harmonia e espiritualidade. E paradoxalmente está associada à frieza, monotonia e depressão. E num plano material, simboliza a água, o céu e o infinito.

Facebook Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *