“Carta aberta para Dygo Boy” – Por: Onélio Luís

“Carta aberta para Dygo Boy” – Por: Onélio Luís

- in Opinião

Por: Onélio Luís

Ora viva, caro Dygo Boy. Espero que esta carta o encontre a gozar de boa saúde. Meu nome é Onélio Luís, tenho mais de 25 anos de idade (naturalidade não importa), sou um jovem comum e apreciador e admirador da música moçambicana (sem descriminação de ritmos) e do entretenimento no seu todo. Tenho a certeza que não me conhece e nunca ouviu falar de mim, pois isso para mim é normal e nunca me senti mal por não ser conhecido.

Há muito que queria escrever-lhe, mas sempre adiava, por razões alheias à minha vontade… Não quero “queimar” muito o seu tempo, pois sei que pelas actividades que desempenha, o tempo para si tem sido água no Sahara (algo raro).

Há muito que tenho acompanhado a sua carreira, mas não de forma religiosa. Desde os tempos da MAGNÉSIA, dentro do grupo no qual você criou a TURMA DO EXAGERO, além de outros pequenos grupos que faziam parte como DINHEIRO LIMPO e ÚLTIMO NÍVEL, este era o momento mais alto do Rap moçambicano, um nível que criava “inveja” aos outros fazedores do ritmo nos PALOPS. Bom, este era apenas um enquadramento, agora, vamos ao que cerne da carta.

Nigga (se me permite). Não lhe quero “atacar”, apenas quero aconselhá-lo, afinal para aconselhar alguém não precisa necessariamente que a pessoa nos conheça ou ambos se conheçam, pois o conselho, na minha óptica, é como a caridade ou qualquer tipo de ajuda nem sempre precisa ser pedido ou o beneficiário precisa conhecer de onde vem.

Tenho visto através das redes sociais, que não passam semanas sem que se fale de si. Sempre há um assunto que é criado envolvendo o seu nome, não sei com que objectivos, mas acredito que bons é que não são. Parece ser bom para si, por estar sempre na “boca” do povo, isso de alguma forma garante-lhe o não esquecimento do seu nome enquanto artista, mas lembre que é a sua imagem que se vai depreciando cada vez mais. Sabe porquê? Porque você “luta com o porco na lama” quando responde a tudo que é falado ao seu respeito, quando bloqueia as pessoas nas suas redes sociais, quando durante o seu programa ATRACÇÕES, dedica alguns minutos a mandar indirectas para os que escrevem ou falam coisas ao seu respeito. Sabe? Isso lembra-me quando erámos KIDs, lá na minha zona, os rapazes um pouco mais velhos criavam nomes trocistas e por via disso quanto mais nos irritássemos ao sermos chamados pelas tais alcunhas, isso significava aumentar a lenha na fogueira… As pessoas mais se alegravam e continuavam com a saga de provocações.

Isso se aplica ao que tem acontecido consigo. As pessoas se divertem consigo. As pessoas que são promotoras dessas provocações sentem prazer em vê-lo a responder. Olha, que algo similar já aconteceu com Mr Bow. Lembra-se? Ele sempre “atacava” todos que ousassem em escrever algo que não o agradasse no seu mural, mas parece que com tempo notou que quanto mais pautava em responder, mais “acesa” a provocação se tornava e actualmente que decidiu parar de responder a provocações, o número reduziu significativamente. Não vamos falar da Liloca, esta foi a artista que mais sofre ou sofreu provocações nas redes sociais, mas nunca se deu o trabalho de responder, pois ela sabe que a resposta será combustível e nessa “guerra” com internautas as figuras públicas sempre saem a perder, mesmo com razão… Deixa-me dar-lhe mais um exemplo. Lembra-se do Nelson Nhachungue aka Ace Nells? Ele sofreu todo tipo de provocações (quando atravessava aquela situação que prefiro não mencionar e que não desejo a ninguém), mas ele mandou lixar tudo e a todos, ficou na cena dele (passe as expressões informais) e, hoje, quase ninguém fala do Nelson fazendo ligação com o que ele passou.

Então meu caro, eu estou ciente de que não é fácil gerir as emoções, mas nunca deixe que elas superem a sua inteligência. O silêncio nestas situações salva o prestígio de qualquer figura pública.

Obrigado pela leitura e desculpe-me, pelo texto longo.

Melhores cumprimentos

Facebook Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *