“A maldição começa com o próprio cantor” – Arsénio Magul

“A maldição começa com o próprio cantor” – Arsénio Magul

- in Opinião

Por: Arsénio Magul

Como sempre, os artistas moçambicanos estão a debater-se com mais uma crise existencial, por causa da vinda de um artista angolano. O barulho começa quando Matias Damásio (MD) vem a Moçambique, cobra balúrdios para fazer o seu ‘show’ e volta à sua terra para desfrutar das moedas. 

Altino Mandlaze fez até uma comparação, disse ele, que no mesmo dia em que o MD fazia o espetáculo ao vivo com banda, no outro lado havia um evento com artistas nacionais, com nomes sonantes da nossa música, os quais chegaram lá e fizeram mímica de suas próprias músicas, o vulgo playback. 

Eu como um bom leitor de comentários, fui colhendo as reacções dos internautas, seguidores do postante, os quais diziam que isso era justificado pelo facto de os artistas não terem um cachê alto que nem o do Matias Damásio, por isso, não tinham como custear os gastos de uma banda. Como quem diz, a culpa é dos promotores que não querem pagar bem aos artistas locais!

Come on guys, vamos lá ser claros e colocar os pontos nos! Isto é uma reacção em cadeia, é a lei do universo, todo o mal que fazes, volta a ti na mesma proporção. Não entenderam? Deixem-me explicar!

Como produtor, já presenciei muita cena off vinda de artistas locais, a maior delas e que ninguém me deixe mentir, é a falta de vergonha dos cantores nacionais em pedir instrumentais de borla aos produtores. Garanto-vos que 60% dos sucessos nacionais, foram instrumentais de borla, feitas por produtores que por não terem visibilidade, se aliam a artistas que levam os seus trabalhos na promessa de lhes promover, mas que nada fazem, se não sugar o seu talento.

É a cena da valorização, se o cantor passar a pagar o que é de direito ao produtor, o mesmo terá consciência de que o seu trabalho importa e assim, ao chegar ao promotor, cobrará também o que é de direito e assim, a vida melhora e teremos mais valorização. Fazer música não é nada barato, vamos lá nos valorizar todos. E isto deve começar do cantor! 

Parem de querer instrumentais, músicas de borla! 

Experimentem pagar, experimentem valorizar os produtores de onde vocês gravam as músicas, experimente investir um pouco, usar aquele dinheiro que vocês levam dos vossos empresários, deixem de gastar nos south b1tchies e queijandos, e usem para investir em trabalho de qualidade, verão que as coisas vão melhorar. 

Ou ignorem o meu texto e continuem a tratar música como bolada!

Facebook Comments

1 Comment

  1. Noémio Nonó

    Pura verdade sou artista desde 2008 até hoje não tenho visibilidade mas concordo plenamente com o que foi dito aqui que temos que levar mas sério o nosso trabalho para que os outros também vejam com outros olhos.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.