D-Lon diz que os rapper's moçambicanos não são unidos

D-Lon diz que os rapper's moçambicanos não são unidos

- in Entrevistas, Geral
0

O Moz Entretenimento conversou com o rapper moçambicano D-Lon, autor dos hits “Poeira, Todo meu Love, Não precisa”, entre outros, e este falou um pouco da sua carreira e revelou os seus objectivos para este ano. Acompanhe.

D-Lon da Nice

ME: Como foi o ano 2014 para o D-lon ?
D-Lon: Foi um ano bom em termos de trabalho musical, lancei 3 músicas que são e estão a fazer sucesso, cada uma na sua dimensão. A Nice Recordz assinou um novo artista chamado Vizzow Nice e isso transmite me alguma esperança em relação a artistas na Label.

ME: D-lon acha que alcançou os objetivos que havia traçado para 2014?
D-Lon: Alcencei parte deles, as músicas lançadas chegaram a quem eu pretendia que chegassem, ou seja aos ouvidos das pessoas, a música “Não Precisa” é um sucesso já e será de certeza um clássico, porque a história ali abordada comove as pessoas.

Fiz poucos espectáculos porque sou muito selectivo nos shows em que participo e por causa disso posso não ter alcançado todos os meus objectivos traçados. Lancei um video-clip da música “Não Precisa” que é o que eu considero o melhor video de Hip Hop que saíu ano passado, em todos os aspectos, produção, realização e tudo mais.

ME: Quais são os objetivos do D-lon para esse ano?
D-Lon: Trabalho e mais trabalho, neste momento é só isso que posso adiantar, o resto saber-se-á com o andar do tempo.

Rapper D-Lon da Nice

ME: Em janeiro o D-lon postou no Twiiter que gosta mais das suas músicas antigas, isso é verdade ? Porquê?
D-Lon: É verdade sim, embora os que me rodeiam e boa parte dos meus fãs ache o contrário, eu gosto mais das músicas “Poeira“, “Todo meu love“, as músicas que fiz na época da ELEX que são músicas que as rádios tocam até hoje e são músicas que quando estou em palco consigo notar a emoção das pessoas e a minha própria reacção é diferente.

Algo que é importante reter é que, quando dinheiro começa a entrar no “jogo”, o teu comportamento “artistico” muda, a tua maneira de fazer a “arte” muda, para todos os efeitos, não desconsidero de nenhuma forma as músicas novas, acho que nota-se nelas elevado profissionalismo e maturidade e isso para mim conta bastante.

ME: Quando o D-lon compara o D-lon de 2010 e 2015 o D-lon vê uma certa Evolução?
D-Lon: Sim, uma evolução muito notória e elevada, o D-Lon de 2010 tinha algo para provar, o D-Lon de 2015 só tem que continuar surpreender os seus fãs pela positiva. Arrisco-me a dizer que todo aquele que ouve D-Lon hoje sabe que o “assunto” é sério, porque eu levo a música a sério, não pretendo estar aqui um tempinho, já estou aqui desde 2002, quando comecei a fazer música, são praticamente 12 anos de carreira, a aguentar-me firme, sem precisar de estar toda hora na TV, sem precisar de lançar músicas toda hora, sem precisar de fazer algumas figuras ridiculas para aparecer, só demonstrando trabalho, profissionalismo, maturidade, persistência e perseverança, continuo aqui e sou relevante como aquele artista que fez um HIT ontem e está ser falado por todos orgãos de comunicação. Eu sempre digo: “Dificil não é chegar aqui, dificil é manter-se aqui“.

NE:O que o D-lon acha que está falhar para o rap moz estar em Peso?
D-Lon: Há dias tive uma entrevista na Stv, programa Big Box Show com Emerson Miranda e ele fez-me a mesma pergunta e eu lhe respondia que há falta de união entre os músicos/rappers no geral. Músicos moçambicanos não são unidos e nem se quer tentam transparecer isso aos mídia/orgãos de comunicação, redes sociais, etc.

Para estarmos unidos, nem precisamos de conhecer um ao outro, basta que estejamos unidos, os que lutaram no tempo colonial para libertar o país nem todos se conheciam, mas alcançaram um objectivo. Quando ha manifestacoes no país, marchas para fazer chegar uma determinada mensagem nem todos se conhecem, mas objectivos são alcançados. Nosso único problema é esse, falta de união, quando se resolver isso resolve-se tudo ou pelo menos 75%.

ME: Além do D-lon, actualmente  quem faz parte da Nice Recordz?
D-Lon: Vizzow Nice e Dj Bogard da Nice.

ME: D-lon acha que a música “não precisa” está sendo bem recebida?
D-Lon: Sim. Acho que para além da música do “Bander Artista – É Artista” foi a melhor música de Hip Hop lançada em 2014, disso não tenho dúvidas. Rapper D-Lon

ME: Quem Desenhou o Vídeo da Música “Não precisa”?
D-Lon: Todo o video foi concebido por mim e por Cr Boy, com algumas ideias do meu amigo A2.

ME: D-lon já pensou em mudar de estilo musical?
D-Lon: Jamais. Posso até variar a maneira de cantar, algumas vezes não repar e cantar com um bocado de melodia que é o que tenho feito desde os tempos de “Não Vou Mudar”, e as músicas de agora, eu é que faço os coros, cantados “Não Precisa”, “Negro, Escuro e Feio”, “I’m Back”, todos coros executados por mim em termos de canto.

Essa coisa de mudar de estilo depois fica complicada quando tu queres voltar para o estilo que te identifica. Para mim os unicos estilos musicais em que pessoas estão realmente a escutar o que tu dizes, dos que se fazem aqui em Moçambique são Hip Hop, Marrabenta e Kizomba/Ghetto Zouk, outros estilos, as pessoas escutam o beat, fixam algumas partes que mais se repetem no beat e prontos, vais perguntar o quê que diz a música a pessoa não se lembra.

ME: Quais os grupos de Hip hop Moz que o D-lon acha que continuam bem firmes?
D-Lon: Não existem. Existem individualidades que continuam a destacar-se, mas grupos não existem. Não estou a dizer que não existem grupos, estou a dizer que não existem grupos firmes.

ME:Entre os rappers existe uma certa união?
D-Lon: Não. Esta toda gente preocupada com o seu nariz.

Facebook Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may also like

Mc Burla lança nova mixtape intitulada “Essa cena é nampwatho”

O rapper moçambicano Mc Burla lançou nesta sexta-feira