Curiosidades sobre o filme Resgate

Curiosidades sobre o filme Resgate

- in Curiosidades, Videos

Já quase a fechar um ano desde o seu lançamento, Resgate é o nome do filme moçambicano que conta a história do Bruno (Gil Alexandre), um mulato que saiu há pouco tempo da cadeia e resolve levar uma vida honesta, buscando esquecer o passado que foi marcado por muita criminalidade, até que um misterioso empréstimo contraído pela sua mãe, chega as suas mãos e deve o pagar ou então perderá a casa. É uma dívida de 30 mil dólares , por isso que todos os dias Bruno acorda e vai atrás do emprego que falta na cidade de Maputo. Até que no final consegue o emprego, mas infelizmente o mesmo não paga 10 paus (10 mil dólares) mensalmente, vendo-se sem saída e sem querer perder o bem deixado pela mãe, Bruno acaba voltando ao mundo do crime para obter os 30 paus.

É visto como um dos clássicos do cinema moçambicano, sentimento criado pelo que foi o processo criativo do mesmo e é mediante a isso que o Moz Entretenimento reúne aqui algumas informações que possivelmente possam ter passado despercebidos por obedecer a componente dos bastidores:

  • Resgate é a primeira longa-metragem da produtora moçambicana Mahla Films depois de várias curtas metragem e configura-se como o maior desafio até então para a produtora;
  • A trilha sonora foi produzida pelos jovens moçambicanos e produtores musicais Nandele e Milton Gulli;
  • As leituras do guião e os ensaios decorreram durante meses, com atores experientes e não-atores, dispostos a trabalhar quase de graça, dando o melhor de si durante todo o percurso, permitindo criar personagens autênticas que deram vida à história;
  • A produção do filme começou com a arrecadação de fundos que deu no que deu, e da pré-produção até a pós-produção a história passou por várias transformações, exemplo: Estava previsto numa das primeiras cenas que após a saída da cadeia, para mudar a sua vida Bruno iria (re) abrir uma oficina mecânica nas traseiras da casa;
  • O filme foi filmado entre 2017 e 2018 e trata-se da primeira longa-metragem que aparece contando a história contemporânea e urbana de Moçambique desde a criminalidade, boladas, o desemprego, amor e desamores;

  • Para a produção do filme, a Mahla Films alocou todo dinheiro conseguido em produção de publicidades, para a aquisição de equipamento necessário para a sua realização (camaras RED, plataformas para veículos, equipamento de luz, etc.) ou seja, não se alugou “nada”;

  • O filme estreou em quatro salas de cinema da capital moçambicana, Maputo, a 18 de Julho de 2019 e, em quinze dias já ultrapassava os cinco mil espectadores ou vistos, tendo depois escalados outras províncias do país e também países como Portugal e Angola;
  • Ainda sobre alterações da história/estória: nas primeiras cenas não estava prevista que o casal Bruno e Mia tivessem uma filha, até que a actriz Arlete Bombe (Mia) engravidasse na “vida real”, durante o percurso das gravações ou produção do filme, que durou pouco mais que que quatro anos, levando a Mahla Films a repensar na História, o que cá entre nos valeu a pena;
  • O Gil Alexandre (Bruno), protagonista do filme, é estreante no cinema;

  • O Cinema São Gabriel (Matola) que aparece no filme, onde o Bruno e o amigo “Laquino” relembram a infância e ter sido o local onde curtiram bons filmes, é na verdade onde quando criança Pipas ia ver filmes;
  • Mickey Fonseca “aventurou-se” durante o desenho de todo sonho, para Estados Unidos de America para aperfeiçoar os seus conhecimentos a nível da produção cinematográfica e voltar a Moçambique munido o suficiente para “resgatar” o cinema moçambicano;
  • O António Forjaz, um dos fundadores da Mahla Films, para produção e direção fotográfica usou a alcunha “Pipas” e para montagem assinou por António, e segundo o que contou ao Jornal Português, O Público,

para não parecer que foi tudo feito pela mesma pessoa”.

Pipas Forjaz e Mickey Fonseca-os donos do sonho.

Facebook Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *